Discurso


01/02/2010

 

1a Reunião Ordinária, realizada aos 01 de fevereiro de 2010

 

SR. PRIMEIRO VICE-PRESIDENTE VEREADOR VALDIR TERRAZAN (PSDB): Comunicado de liderança do PSDB, tem a tribuna por até dez minutos.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Boa noite Presidente, Vereador Valdir Terrazan, Presidente Vereador pelo PSDB, meu Partido, componentes da Mesa, Vereadora Leonice da Paz, Vereadores aqui presentes, público querido e já saudoso aqui presente, telespectadores da TV Câmara.
Minhas primeiras palavras são de boas vindas a todos os partidos, a todas as pessoas que compõem a sociedade civil organizada de Campinas, à comunidade campineira, ao povo de Campinas.
Agradecer ao Vereador Alberto Fonseca (Prof. Alberto), por ter dito em alto e bom som que a gente ficou mais velhinho, graças a Deus, e digo que o meu tratamento está indo muito bem. E mais à frente, quando terminar o meu tratamento, eu vou dar... Eu vou trazer as boas notícias, notícias, Vereador Antônio F. Santos (O Politizador), alvissareiras, não é? E quero dizer que eu sou capricorniano como o Vereador Antonio F. Santos (O Politizador), então somos teimosos, não é?
Quero dizer que ocupo a tribuna da Câmara motivado pelo artigo do Vereador Artur Orsi ontem, que fala sobre a cultura da cidade de Campinas. Estou com a consciência absolutamente tranquila porque eu sou um homem de oposição, mas de oposição responsável, equilibrada, a favor de Campinas. E certamente estarei aqui para sempre que possível apontar os erros e as falhas do Prefeito, bem como ser convencido dos seus acertos.
Eu acho que essa frase lapidar é o ápice do processo democrático. E acreditar na cultura é acreditar no homem, fortalecer os laços do homem com a cultura é fazer do ser humano algo muito melhor. Cultura, Vereador Thiago Ferrari, é o grande indutor de cidadania. Cultura é uma fábrica, por vezes, de fantasias, como no carnaval, ou de usinas de idéias na luta da independência de um povo. Na busca do conhecimento de sua emancipação, precisa estar enraizada no povo a cultura.
Motivado, então, pelo artigo diferenciado, consistente, do Vereador Presidente do meu Partido, do PSDB, Vereador Artur Orsi, fui buscar um pouco na história a cultura da nossa cidade, Vereador Jorge Schneider.
Saibam os senhores que Campinas teve teatro, Cida, antes de ter água, luz e esgoto. Foi o teatro São Carlos, era uma companhia de teatro amador, mas elementos e membros da comunidade, com uma área cedida pela Prefeitura de então, construíram o teatro São Carlos, que existiu até 1920. E foi demolido exatamente para que lá se construísse, que pulsasse e brotasse, na verdade, o grande Teatro Municipal, que muitos aqui conheceram, os meus pais conheceram, mas eu não tive a felicidade de conhecer. Mas a exposição de fotos está aqui na recepção da Câmara, de fotografias, para que ninguém possa desconhecer esse fato através das fotografias que estão aqui expostas, aqui.
Eu quero dizer que foi desastrosamente demolido em 1965. Talvez, Esmeralda, pela síndrome do ringue, cinema esse que teve um acidente, deixando muitas vítimas campineiras, se não me engano cerca de... Mais de 50 vítimas campineiras. Talvez motivado por isso, que passava um córrego ou passa um rio por lá, talvez motivado por isso o Prefeito de então, infelizmente, demoliu o teatro Municipal.
E hoje, se você for atrás da catedral, não nasce nem capim e nem mato lá. Acho que é uma praga, porque realmente perdemos um espaço precioso. E, na verdade, nos primeiros 25 anos de vida do teatro São Carlos, até 1875, o povo levava as cadeiras. Não tinha cadeira no teatro São Carlos, o povo levava as cadeiras num cortejo até o teatro São Carlos. E aí culminou em 1886, que nós tivemos aqui a apresentação da Dama das Camélias, que foi um show absoluto, que lotou o teatro e que todos os dias nós tínhamos espetáculos aqui em Campinas e tínhamos espetáculos iluminados à luz de velas e candeeiros a gás, até que chegasse a energia elétrica.
Pois bem. Lá nós tivemos óperas, lá nos tivemos companhias italianas de itinerantes que traziam no elenco solistas, orquestras, cenário, indumentária e pessoal técnico de apoio. Sabe se, então, que o primeiro espetáculo de ópera foi o espetáculo de Verve, que foi de uma maneira entusiasta aplaudida, de forma efusiva, ovacionada pelo povo presente à época.
Na verdade, eu digo isso porque hoje nós temos tantas dificuldades para pensar sobre cultura. Nós temos um Centro de Convivência à deriva, com infiltrações de toda a ordem, com ratos, baratas, morcegos, ao relento. E o que é bom todo mundo está vendo, o que é bom, o que está sendo feito na cidade, mas o que não está indo bem a gente tem que vir à tribuna e colocar, para que se tome providências, Sr. Prefeito, sobre isso.
Temos lá um piano, um piano de calda, é um piano Steinway, um piano de cauda inteiro, que veio de Hamburgo em 1970.

SR. VEREADOR THIAGO FERRARI (PMDB): Um aparte, Sr. Vereador?

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): --que está num canto do palco, sujeito a chuvas e trovoadas, à umidade e ao pó. Então, alguma coisa há de ser feita. O nosso teatro Castro Mendes também, repetidas vezes, as reformas são adiadas, o Centro de Convivência em estado deplorável, entre outras coisas que acontecem na cultura da cidade.

SR. VEREADOR THIAGO FERRARI (PMDB): Um aparte, Sr. Vereador?

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Por essas e outras - eu vou lhe dar o aparte, Vereador - que a gente vem aqui solicitar e pedir para que se tome providências, para que Campinas volte a ser o berço cultural desse país, ladeando São Paulo e Rio de Janeiro em todas as suas perspectivas, na sua grandeza cultural desde 1850, como timoneira no quesito cultura de Campinas. E, assim, emancipando o povo, dando condições para que o povo, na verdade, consiga construir uma cidade mais solidária, com mais qualidade de vida.
Sei que tem um projeto do Vereador Tiago Ferrari, é um projeto que versa sobre um programa cultural para Campinas. Eu quero mergulhar, quero me inserir nesse contexto, e quero também aproveitar o momento para, com muita honra, abrir lhe a palavra para que o senhor possa fazer uso dela.

SR. VEREADOR THIAGO FERRARI (PMDB): Boa noite, Sr. Vereador. Eu gostaria de fazer uma ressalva. Eu li o texto, eu acho que a gente tem que... Além das críticas que ele faz com relação aos eventos culturais, aos próprios culturais, nós devemos também olhar a questão dos movimentos culturais, que aí que está a alma da cidade.
A cultura é importante porque ela é alma da cidade, quando a gente dá apoio para os movimentos culturais, e nesse caso nós também temos que olhar para esse sentido, e é nesse caso que eu insisto e critico também o governo nesse sentido, que nós devemos olhar com outros olhos a cultura. Estamos tendo festival em Barão Geraldo, que o SESC está apoiando, que são eventos nascidos de movimentos culturais aqui na cidade, e é isso que nós precisamos. Campinas tem uma riqueza cultural muito grande, tem uma alma muito grande e nós precisamos dar apoio. Por isso, Vereador Gilberto Biléo Soares, eu vim aqui só para reforçar a sua fala e parabenizá lo.
Obrigado.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Muito obrigado, Vereador.
É uma pena que a gente não tenha mais tempo, mas podemos discutir em outros momentos sobre a questão da Virada Cultural. Eu acho que a gente pode estar lutando aí para que Campinas seja inserida nessa Virada Cultural Paulista, que ficou de fora, não sei por quê.
Mas teremos aí o ano todo, e o Vereador Thiago Ferrari fez uma moção por conta disso e teremos o ano todo para debater sobre a questão cultural.
No mais, muito obrigado, e estava com saudades do microfone e, sobretudo, de vocês. Um abraço.
[palmas]

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Sr. Presidente, Vereador Valdir Terrazan, Srs. membros da Mesa, Srs. Vereadores, senhoras e senhores presentes, telespectadores da TV Câmara, o meu cordial abraço. Boa noite.
Eu só quero falar um minuto de cultura, já falamos hoje e pautamos essa reunião, falamos muito desse tema. Eu só quero responder ao Vereador Francisco Sellin, com todo o respeito a esse grande líder, decano dos Vereadores de Campinas, mais de 20 anos de mandato aqui, que a gente respeita muito.
Eu quero dizer o seguinte, não importa que o Prefeito Hélio já tenha 80 ou 100%, importa que existe um problema crônico na cultura e precisamos colocar todos nós, nós Vereadores, o Legislativo Municipal e o Executivo Municipal colocarmos o dedo nessa ferida, para tentar viabilizar o que Campinas mais espera, quer dizer, teatros e que a cultura volte à cena e que seja aí o grande condutor das almas dos campineiros. É que isso que nós precisamos.

SR. VEREADOR THIAGO FERRARI (PMDB): Um aparte, Sr. Vereador.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Pois não, Vereador.

SR. VEREADOR THIAGO FERRARI (PMDB): Deu um minuto e sete, eu vou ser breve também. E reforçando o que V.Exa. tem falado e que tem me apoiado bastante na nossa Casa, na discussão que nós temos tendo--

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): O seu projeto, não é?

SR. VEREADOR THIAGO FERRARI (PMDB): O projeto de plano municipal de cultura, que é justamente isso, para que Campinas tenha uma política de cultura de Estado e não de governo dependendo, para que a gente possa definir, para que possa dar segurança para os artistas para que eles possam produzir com segurança e exerçam criatividade na plenitude.
Obrigado.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Dando novamente boas-vindas a todos os companheiros Vereadores nesta Casa, a toda a cidade de Campinas que nos vê nesse momento, falar um pouco do nosso mandato e falar um pouco também de projetos lá da década passada que nós fizemos, porque nós sempre pautamos por bons projetos para Campinas
E não é porque eu seja a medida ou a expressão da verdade, é porque a gente tem que ter capacidade de ouvir. E todos os meus projetos, a grande maioria nasceu exatamente na discussão com a comunidade. A comunidade apontou, sinalizou e nós lapidamos, burilamos e protocolamos na Câmara os nossos Projetos de Lei que viraram lei.
Por exemplo, lá em 93, 94, 95 e 96, a Lei n. 7557 dispõe sobre a profissão de guaritas. Tem também a lei que dispõe sobre atendimento preferencial a gestantes, mães com crianças de colo, idosos e deficientes em estabelecimentos comerciais e de serviços e similares. Esta lei, vocês encontram em todas as cidades, dez anos antes do lançamento do Estatuto do Idoso, nós já tínhamos essa lei. A Esmeralda, companheira Esmeralda, que está aí na platéia nos vendo falar nesse momento.
A questão da adoção de praças de esporte, a mesma coisa, uma lei nossa que tomou de assalto a cidade. E a que foi talvez a mais importante, dentre tantas lei que nós apresentamos no nosso primeiro mandato, mais de 80 leis, a que criava o programa de informações para o incentivo ao uso do cinto de segurança e a sua obrigatoriedade no município de Campinas
Muito antes, muito antes, da lei federal que obrigou todos nós a usarmos cinto de segurança, salvando assim muitas vidas.
Então, entre outros projetos que viraram leis, que nós fizemos no nosso primeiro mandato, agora fizemos também com o apoio da comunidade, com o envolvimento da sociedade, um projeto que virou lei, que foi sancionado pelo Prefeito, que é o Programa de Combate ao Bullying nas escolas públicas.
Todo mundo já sabe, todo mundo tem discutido isso aí, os jornais têm divulgado cada vez mais problemas inerentes a essa questão. Também com o Vereador Dr. Dário G. Saadi o Programa Saúde do Homem para esclarecer e debelar a ignorância arraigada na cultura masculina, no que diz respeito ao sistema reprodutor e sistema urinário.
E também o Programa Visão do Amanhã, que é um projeto para as escolas municipais, um projeto que vai ter custo zero, custo zero, um programa simples, mas que tem um formidável alcance no sentido de prevenir o problema de visão dos alunos, que eu já discuti muito nesta Câmara, esta aí, está tramitando, já passou em primeira discussão.
A Lei Serra do Antifumo, proibindo as pessoas de fumarem em estabelecimentos, nós, com os companheiros do PV e Vereador José C. Oliveira (Zé do Gelo) e Vereador Vicente Carvalho (Vicente da UPA), fizemos um projeto que obriga os proprietários dessas casas a colocarem cinzeiros removíveis nas calçadas em frente aos estabelecimentos.
E um outro projeto, que autoriza o Poder Executivo a emitir uma declaração anual de quitação das contas pagas, como IPTU, SANASA e etc. Antigamente você tinha que guardar sessenta meses, agora não, você guarda os recibos 12 meses e depois você tem uma certidão do órgão expedidor, do órgão do Executivo ou o IPTU, a SANASA, dizendo que você está aqui quite, na verdade, com os cofres públicos do município. Isso otimiza, minimiza e economiza papel e uma série de coisas e, sobretudo, tempo.
E agora nós estamos apresentando o Projeto de Lei na esteira desses bons projetos que fizemos sempre sintonizados com os amigos, com as pessoas que participam do núcleo de participação legislativa, que é o nosso mandato, que tem esse instrumento, essa ferramenta, nós estamos apresentando o projeto que autoriza o Poder Executivo a implantar os centros comunitários para idosos. Os centros comunitários para idosos têm como específico atender as famílias de baixa renda. Será que se assim o Legislativo entender, que o horário comercial de segunda a sexta feira, das oito às cinco da tarde, e aos finais da semana e as noites as famílias que têm que ter essa convivência com idoso.
Então, é um projeto importante, pois as famílias ficam responsáveis pelos medicamentos, produtos de higiene e pelos aparelhos de mobilidade dos seus idosos. E a Administração Municipal tem como objetivo fornecer aos usuários dos centros de atendimento médico, nutricional, pedagógico, terapêutico e de enfermagem.
E qual o objetivo geral? Atividades culturais, de lazer, educativas, atividade de integração, preservação dos vínculos familiares, não deixar o idoso isolado, prevenir uma série de doenças, o idoso fica em casa sozinho, se deprime, acaba... Às vezes é diabético, come doce e tal. Enfim, a Prefeitura vai fazer sua parte em parceria com a sociedade e a família fazer a parte dela.
E tem um projeto também do Governo do Estado, se não me engano Eu Quero Vida, que podemos fazer um projeto de um convênio, que vem dinheiro, 300 mil reais, para construir, se chama Centro Dia, mas os nossos seriam Centros Comunitários. E, sobretudo, meu caro Vereador Francisco Sellin, que a população de idosos cresce de uma maneira impressionante.
No último século a expectativa de vida aumentou em cerca de 20 anos, de 1950 a 1955 foi de 46.5 para 1995 a 2000 para 65 anos. Hoje temos em torno de 72 anos. Então, nós temos uma população de pessoas na melhor idade, terceira idade, muito grande.
Então, precisamos desde já, desde então, Vereador Ângelo Barreto, nos preocuparmos com a questão do idoso. Já nós preocupamos com a questão da criança, mas é fundamental que nós preocupemos com a questão do idoso. Por isso esse projeto vai ao encontro das necessidades que doravante os idosos terão, e com uma parceria família e Administração Pública e comunidade nós vamos poder dar mais alegria é uma vida mais saudável, mas mais salutar e com muito mais qualidade ao nosso idoso, que tem experiência e que realmente pode assim, de uma maneira tranqüila, nos ensinar muito mais e muito mais mesmo.
Por isso, eu peço vênia aos demais companheiros, vamos protocolar esse projeto amanhã e gostaríamos que esse projeto fosse discutido na Casa, emendado. Que os Vereadores emprestassem suas inteligências para que nós fizéssemos, na verdade, um projeto robusto e um projeto que esteja, na verdade, a altura do que representa o idoso para mim, para vocês, para as senhoras e para os senhores e para todos nós.
Então, esse é um momento importante que a gente pede o engajamento, o envolvimento e o apoio dos Vereadores e da sociedade nesse projeto que autoriza o Poder Executivo a implantar os Centros Comunitários para idosos.
Muito obrigado.
[palmas]

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): Sr. Presidente, quero cumprimentá-lo e consequentemente os nobres colegas desta Casa, que se encontram ainda aqui, o público presente e os que ainda estão nos assistindo pela TV Câmara, pela Internet.
São tantas as coisas aqui, Sr. Presidente, que eu, na verdade, não sei nem por onde eu vou começar, mas acho que eu vou começar aqui por uma coisa que acho que vale a pena a gente estar comentando aqui, que é exatamente dessas pesquisas que foram divulgadas pelo meio de comunicação desta aceitação do Governo Lula pela população do nosso Brasil e também a aceitação, o respeito que o nosso Presidente, tenho certeza que é um orgulho para todos nós, independentemente de partido. Nós queremos um Brasil para frente, nós queremos um governo que seja respeitado pela nação mundial, portanto as diferenças, as divergências, elas continuam, porque isso tem que ser assim, mas eu peço que, sem exceção, nos, brasileiros, temos orgulhoso da situação que o nosso Brasil se encontra hoje no cenário mundial e principalmente nacional. Talvez seja pela forma como o Presidente Lula, pela escola que ele teve, na sua história de vida, o respeito com que ele trata todos os representantes da sociedade, que são legitimamente eleitos, indicados pelo povo e quando você pega o mapa do Brasil, você consegue perceber o quanto o Governo Federal dá atenção a todos os municípios e todos os Estados, independentemente da cor dos olhos, daqueles ou daquelas que administram.
O Governo Federal tem lançado vários planos e esses planos são planos que fazem com que as administrações municipais e estaduais participem do processo avançado para o nosso País.
Quando nós pegamos essa pesquisa e podemos ver que 80% da nação apóia e reconhece o Governo Lula como o melhor Presidente que o Brasil já teve. E quando a gente vê, ouve e assiste os comentários a nível internacional, isso para nós, brasileiros, é muito importante e é muito bom, independentemente do governo, e de quem está governando, seja um Estado ou da União, como no caso o Presidente.
Aqui em Campinas, como já foi dito, o nosso prefeito, o Prefeito Municipal, Dr. Hélio, que ainda com certeza não conseguiu realizar na cidade de Campinas, os sonhos, o que ele quer para a população, o que ele deseja para a sociedade. É um prefeito que eu aprendi a respeitar pela forma como ele conduz o governo na cidade e a forma como ele participa com a população, dos problemas existentes e a atenção que ele dá, está também com 80% de aprovação da nossa cidade.
Eu fico, Sr. Presidente, às vezes preocupado com algumas coisas que a gente lê, que a gente assiste também na televisão, nos meios de comunicação escritos do que acontece. Por exemplo, eu olho, a nível nacional o Governo Lula inaugura 78 escolas federais de educação profissional. E aí você acaba também vendo e lendo o quanto o Governo quer ampliar isso daí. Você vê os institutos ou as avaliações dos nossos profissionais das universidades, dizendo que essa ação do Governo Lula é uma ação que faz com que a população, a nossa sociedade, possa participar de um processo educativo para fazer com que cada vez mais as pessoas aprendam, possam entender, ter conhecimento e, sobretudo, profissional.
Eu fiquei muito triste, eu não sou professor, não tive essa felicidade, não tive essa condição, mas eu li na imprensa o massacre que os professores sofreram quando participaram daquela avaliação obrigatória que foi feita com os nossos professores do Estado de São Paulo.
O exame que criado para avaliar os domínios do conteúdo pedagógico é uma retrato econômico da economia. O que é essa economia? – Um abraço, Vereador. O que é essa economia? É a economia que a gente já viu acontecer, quando você olha e vê o quanto que o Governo do Estado deixa de aplicar na educação e, de repente, ele vem e cria esse exame como forma de poder medir o conhecimento pedagógico dos professores nas nossas escolas estaduais, e a gente fica pensando: Será que o problema está nos professores? Porque, na minha opinião, a minha opinião, eu quero externar aqui, é que essa foi uma válvula de escape do Governo do Estado para poder justificar a péssima valorização que tem dos nossos alunos nas escolas estaduais.
O Governo Municipal - me desculpe - o Governo Estadual, e é importante, é uma pena que o Vereador Alberto Fonseca (Prof. Alberto) não pode estar aqui para poder me ajudar nesse comentário que eu estou fazendo aqui, mas dos 90 milhões reservados para investir na meta de verba... A meta verba prevista na formação dos professores, em 2009, apenas 44 milhões foram destinados para essa formação.
Olha, como que isso é muito complicado. Quando nós temos uma verba garantida no orçamento e o Governo do Estado autoriza, aplica, menos da metade da verba, ou seja, mais de 45% deixou de ser investido na educação profissional dos nossos professores, que é importante isso.
Então, na minha opinião, isso precisa ser discutido pela Assembléia Legislativa, porque o Governo do Estado, ele não pode reter dinheiro desta forma e depois cobrar dos professores que eles se prepararem. Isso é um problema de todos nós, independente do governo, pode ser de Minas, de São Paulo. Mas aqui do Estado de São Paulo foi isso que aconteceu, deixaram de ser investidos 46 milhões na formação de professores. E depois vai lá é dá um exame, obriga que eles participem, cria para avaliar o domínio do conteúdo pedagógico e aí vê o massacre que a imprensa fez em cima desses professores.
Eu não vou entrar no mérito da imprensa, porque a imprensa cumpre o papel dela, mas será que com os baixos salários, da forma como o nosso Governador do Estado, meu Governador, que eu moro nesse Estado, ele é meu Governador independente de eu ter apoiado ele ou não, votado nele ou não, que não votei, todo mundo sabe, mas é o meu governador. Será que isso não tem que ser olhado com melhores olhos pelo nosso Governador?
Pois não, Vereador Biléo Soares, fique à vontade.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Vereador, é uma satisfação poder debater com V.Exa.

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): Toda minha, Vereador.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Mas eu vou deixar essa questão para uma próxima oportunidade, mas eu gostaria de falar que no auge do embate entre tucanos e petistas, eu me posicionei, precisamos fazer uma campanha propositiva.

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): Perfeito.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Qual é o melhor programa, qual é o melhor candidato. E bastam de acusações, insultos e farpas. Eu acho que o Brasil quer isso e nós vamos conseguir fazer isso.

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): Com certeza.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): O Fernando Henrique Cardoso foi um bom governo, tem o Lula que está fazendo um governo, segundo as pesquisas, um governo destacado. Mas o que vai diferenciar é o que nós vamos fazer no Brasil doravante.

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): É verdade, Vereador.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Tanto o governo do PSDB, como o governo do PT. Sabe por que, Vereador Ângelo Barreto, porque quando eles brigam lá em cima, repercute em todas as Câmaras Municipais e Assembléias e começa aqui um tiroteio--

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): E quem paga é o povo.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Exatamente. E começa um tiroteio aqui insano.

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): Concordo.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Então, a gente tem que crescer, debater, buscar qual é o melhor programa e qual o melhor candidato. Essas seriam minhas palavras, meu amigo Vereador Ângelo Barreto.

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): Muito obrigado, Vereador, sempre colaborando e muito com as suas intervenções, é um prazer dialogar com V.Exa. Eu só tenho a aprender, pouco a te ensinar, mas muito a aprender com V.Exa.
Tem um plano nacional de formação--

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Não é verdade.

SR. VEREADOR ÂNGELO BARRETO (PT): --dos professores de educação, que é um plano – para terminar, Presidente – que é um plano interessante, que é o PDL, ele envolve os governos do Estado e do Município e é importante que nós pudéssemos cobrar os nossos governos municipais e estaduais que participassem da forma efetiva desse plano nacional, que é o PDL de educação básica, que só vai ajudar a nossa população e o nosso povo e todos nós.
Muito obrigado, um abraço a todos que estão nos assistindo e é um prazer dialogar com V.Exa., sempre.

SR. PRIMEIRO VICE-PRESIDENTE VEREADOR VALDIR TERRAZAN (PSDB): Obrigado, Vereador Ângelo Barreto. Não havendo mais Vereadores inscritos e tendo encerrado o tempo regimental, ficam os Srs. Vereadores convocados para 2ª Reunião Ordinária, a ser realizada nesta quarta feira, tendo sido publicada no Diário Oficial a pauta da próxima reunião.
Encerro a presente Reunião, desejando uma boa noite a todos.

 

Copyright (c) 2009 - www.bileosoares.com.br - Todos os direitos reservados