Discurso


25/11/2009

 

72a Reunião Ordinária, realizada aos 25 de novembro de 2009

 

SR. PRIMEIRO VICE PRESIDENTE VEREADOR VALDIR TERRAZAN (PSDB): Convido o Vereador Gilberto Biléo Soares para fazer uso da palavra. Como autor do requerimento, tem a tribuna para as suas considerações.

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Sr. Presidente, tucano Vereador Valdir Terrazan; Srs. Vereadores; senhoras e senhores presentes aqui; professores trabalhadores incansáveis da Pró Visão; telespectadores da TV Câmara; minha amiga, sempre Secretária da Segurança, Coordenadora Técnica Cristina Von Zuben.
É uma grande e subida honra poder que acolhê la nesta augusta Casa de Leis para falar um pouco da Pró-Visão e lembrarmos também que quando se fala em Pró-Visão se confunde com a história de uma grande amiga, uma amiga que lá atrás, há mais de 20 anos - hoje, são 27 anos de vida da Pró-Visão - a grande amiga que já não está mais entre nós, a D. Teresinha de Arruda Serra Von Zuben. Grande símbolo, um grande instrumento, uma grande ferramenta, nascedouro, na verdade, desse trabalho profícuo, árduo, mas que compensa muito os munícipes de Campinas. Juntamente com a Professora Vilma Martins Machado, que não podemos esquecê-la.
Então, é entidade sem fins lucrativos, cujo objetivo... Cuja finalidade é promover e combater a cegueira, trazendo bem estar, a educação, habilitação e reabilitação de crianças, adolescentes e adultos cegos ou com baixa visão.
Para que vocês tenham ideia, 2.600 atendimentos por mês fazem os trabalhadores infatigáveis, incansáveis da Pró-Visão. E acompanham, na região, 60 crianças. E o que é interessante: Eles são, na verdade, adeptos da inclusão escolar, as crianças estão inseridas nesse contexto das salas regulares, públicas e privadas, ensinando os outros jovens, ensinando os professores da alta capacidade daqueles que detém uma deficiência visual.
São profissionais extremamente preparados, consistentes de muito conteúdo, cujos corações irrigam o bem, a bondade, a generosidade, mas que a alma brota técnica, a técnica fundamental para que essas crianças possam ser inseridas no nosso mundo. E a família também recebe o apoio.
Então, são os outros jovens, os professores e a família. E esse conjunto de situações que credenciam, na verdade, a Pró-Visão. Um trabalho em Campinas inigualável, incomensurável, a favor exatamente do deficiente visual.
E justo agora que, também, Cristina Von Zuben, comemoramos os 200 anos de Louis Braille. Eu, quando estudei em Paris, em 1984, 1985, tive a oportunidade de visitar o museu. Ele nasceu em 1809, ficou cego aos três anos, perdeu a visão aos cinco, definitivamente, o pai dele era celeiro e ele quis mexer lá com uma faca, e acabou furando um dos olhos, depois perdeu a segunda vista, etc.
Então, o que aconteceu na naquela época? A infecção, como sabemos... Há 200 anos não existia ainda Louis Pasteur, que na verdade ensinou os caminhos do aparecimento, do surgimento dos germes através das mãos e do ar, e também o Alexander Fleming, que não tinha inventado a penicilina que, na verdade, foi o primeiro antibiótico, Dr. Dário G. Saadi, a curar essas infecções.
O Louis Braille foi revolucionário, porque tinha lá o Charles Barbier, lá atrás, que tinha um sistema de escrita. Ele foi lá, na esteira da Charles Barbier, e criou um código de escrita, e aí se tornou professor de aritmética, música, etc., um gênio. E quero acrescentar, realçar e destacar aqui: Lá naquela época ele já estudou em escola regular, 200 anos atrás.
Então, hoje, estudar numa escola regular para o deficiente visual ou qualquer tipo de necessidade especial é o óbvio ululante, como dizia Nelson Rodrigues. E ele não se aquietou inerte, porque na verdade ele imaginava: “Eu não vou ser um prisioneiro dos livros, eu não vou deixar de me comunicar, eu quero ler e escrever, comunicar me, eu quero viver”. E Louis Braille deu uma lição, o grande benfeitor dos cegos, estudou lá na escola de cegos de Paris e foi um grande homem.
Então, hoje, Vereador Dr. Dário G. Saadi, estamos aqui a comemorar um homem, um revolucionário, um homem que, com 63 sinais deu o alfabeto, hoje, para que muitos cegos não só enxerguem com o coração, mas enxerguem de corpo inteiro.
E é por isso que aqui estamos. Para homenagear esses 27 anos de Pró Visão, que acaba, na verdade, operacionalizando todo esse vendaval de emoções concebido nessa viagem do tempo, lá atrás, por Louis Braille. Por essas e outras que aqui estamos todos, hoje, para ver e ouvir você, a Sra. Cristina Von Zuben, aqui, com os componentes desse seleto grupo, que na verdade faz de Campinas uma cidade mais humana, fraterna, solidária, amiga do deficiente visual.
Muito obrigado, e parabéns pelo trabalho grandioso que vocês fazem por nossa cidade e por nosso país. Obrigado.
[palmas]

SR. VEREADOR GILBERTO BILÉO SOARES (PSDB): Eu ia falar do meu projeto, o “Visão do amanhã”, mas fica para depois. Eu gostaria de agradecer a presença sua, Cristina Von Zuben, que foi de uma lucidez ímpar e esclareceu a gente, mostrou esse trabalho fantástico, extraordinário, da Pró Visão.
E eu gostaria de perguntar como é que está o convênio e como é que está, também, a questão do repasse da Prefeitura. Acho que seria importante você nos informar, porque aqui temos Vereadores, temos o líder do governo, aqui, que pode, na verdade, estar colaborando e ajudando com isso.
No mais, vamos seguir os ensinamentos de Louis Braille, no sentido de “não seremos prisioneiros”, tem livros, mais, vamos comunicar, vamos redigir até discurso, porque na verdade, hoje, vocês conseguem operacionalizar o sonho do imortal Louis Braille.
Muito obrigado, e parabéns por essa data inesquecível que nós estamos vivendo. Obrigado.

 

Copyright (c) 2009 - www.bileosoares.com.br - Todos os direitos reservados